“Isto é uma Mulher”? A nova proposta da Companhia de Dança Contemporânea de Angola

Um desafio ao público para o confronto, consigo próprio e o envolvimento, ainda que por instantes, num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão

A Companhia de Dança Contemporânea de Angola inicia a 20 de Maio a sua temporada de 2022 com a apresentação da peça Isto é uma Mulher?uma criação conjunta de Ana Clara Guerra Marques e da coreógrafa Irène Tassembédo do Burkina Faso. 

Esta peça  terá apresentações no Memorial António Agostinho Neto (de 20 a 22) e na União dos Escritores Angolanos (de 27 a 29),  segundo refere uma nota de imprensa da CDCA, convoca o público à descoberta, desafiando-o a confrontar-se consigo próprio e a envolver-se num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão.

A nota dá conta que, com a exibição dessa peça, não se pretende apresentar soluções, muito menos se tenciona homenagear, exaltar, mostrar compaixão ou assumir qualquer lugar comum, pretendendo-se apenas integrar a construção de um lugar humanizado e evoluído onde ser Mulher já não cabe nos paradigmas do passado. 

A escolha desses espaços deve-se à inexistência de salas de teatro em Luanda, e a direcção da CDCA recorda que esta companhia, à qual se deve a grande transformação do panorama da dança em Angola, foi fundada em 1991, é membro do Conselho Internacional da Dança da UNESCO, possui um historial de centenas de espectáculos apresentados em Angola e no exterior, com cerca de dezenas de obras originais, sendo hoje a referência da dança cénica angolana no mundo. 

Com 30 anos de existência, esta companhia ocupa um lugar privilegiado na História de Angola, ao ter semeado o “novo” no vasto terreno da dança onde continua a desenvolver um trabalho artístico único e original. 

Fundamentação da peça “Isto é uma Mulher?”. A Companhia de Dança Contemporânea de Angola argumenta sobre a identidade da peça, que vivemos hoje tempos que se distanciam daqueles modelos arcaicos em que a obrigatoriedade das mulheres se ocuparem exclusivamente das tarefas domésticas (que incluíam tomar conta dos filhos, da cozinha ou da roupa do marido) contrastava com a liberdade dos homens para trabalhar, votar, governar e movimentar-se livremente dentro e fora de todas as regras de conduta e princípios morais criados para manter as mulheres numa posição subalterna. Nestas sociedades ditas modernas, refere, estas não tinham, inclusivamente, direitos sobre o seu próprio corpo. Como resultado, prossegue a argumentação da CDCA, de todas as transformações que este cenário conheceu, existem actualmente sociedades onde a mulher desempenha papéis de responsabilidade antes reservados aos homens. Paralelamente, outras há em que as mulheres continuam a viver numa condição de quase invisibilidade. 

Criar uma peça sobre a mulher ou sobre mulheres, segundo a perspectiva da CDCA, pode parecer tão oportuno como arriscado ou mesmo imprudente pois, às questões anteriores, juntam-se aquelas relacionadas com a construção e identidade de género as quais estão, igualmente, longe de ser resolvidas. Se existem geografias onde estes assuntos são amplamente debatidos e existe espaço para a realização pessoal de todos, outras há que permanecem enclausuradas nos parâmetros conservadores, que a própria ciência já descartou, de uma definição Homem-Mulher circunscrita às características biológicas. 

De acordo com a CDCA, as possibilidades de equacionar todas estas variáveis são tão diversas como a sua própria essência ou como os distintos contextos sociais de onde provêm. A pergunta “o que é ser mulher?” gera, portanto, tantas respostas quantas as questões que nela estão contidas. Existe uma resposta “certa”? Talvez. Uma resposta aberta que inclua questões de ordem física e psicológica, mas também de ordem social e antropológica. 

Com a peça Isto é uma mulher?, a CDCA justifica a criação de situações que permitem a descoberta ou, simplesmente, que desafiem o público a confrontar-se consigo próprio e a envolver-se, ainda que por instantes, num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão. 

Irène Tassembédo e Ana Clara Guerra Marques

Irène Tassembédo é uma ex-aluna da Escola Mudra-Afrique de Maurice Béjart em Dakar, e uma das maiores figuras da dança na África contemporânea. Há mais de três décadas que desenvolve um trabalho coreográfico original, combinando a dança contemporânea e dança africana, reinventando novas linguagens para a dança. Para além da dança, Irène Tassembédo, desenvolve também actividade como actriz no teatro, cinema e televisão. Após 30 anos de carreira internacional, Irène Tassembédo voltou a estabelecer-se, em 2007, no Burkina Faso, seu país de origem, transmitindo a sua experiência profissional a bailarinos, coreógrafos e outros artistas do continente africano. Continua a criar peças coreográficas com a sua própria Companhia, a CIT, Compagnie Irène Tassembédo, e trabalha no desenvolvimento de projetos culturais inovadores como a EDIT, Escola Internacional de Dança. Em janeiro de 2013, Irène Tassembédo lançou o Festival Internacional de Dança de Ouagadougou, FIDO, um festival aberto a todas as formas de expressão coreográfica, no qual cerca de vinte companhias de dança de todo o mundo se apresentam regularmente todos os anos. O FIDO estabeleceu-se rapidamente como um ponto de encontro internacional de alto nível para a dança na África, aberto em particular às diásporas africanas em todo o mundo. Actualmente, prepara também a sua primeira longa metragem como realizadora. 

Ana Clara Guerra Marques é pioneira da dança contemporânea em Angola e fundadora da primeira companhia profissional angolana, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola, com a qual propõe novas formas e conceitos de espectáculo, dividindo a sua criação entre a intervenção / crítica social e a extensão artística do seu trabalho de investigação sobre as danças patrimoniais angolanas, com incidência na cultura cokwe

A implementação da dança Inclusiva é outra das suas contribuições para uma diversificação do olhar sobre a dança em Angola. Da sua estratégia para a defesa e projecção da dança enquanto linguagem artística e arte performativa em Angola, fazem ainda parte a sua prática como bailarina e coreógrafa. Como investigadora, tem vários artigos publicados em periódicos angolanos e revistas de especialidade internacionais e é autora dos livros “A Alquimia da Dança” (1999), “A Companhia de Dança Contemporânea de Angola” (2003), “Para uma História da Dança em Angola – Entre a Escola e a Companhia: Um Percurso pedagógico” (2008), do Catálogo do Museu do Dundo (Org.), “Memória Viva da Cultura do Leste de Angola” (2012) e “Máscaras Cokwe: A linguagem coreográfica de Mwana Phwo e Cihongo” (2017). 

Trabalhou durante 37 anos no Ministério da Cultura angolano, onde foi directora e professora da Escola Nacional de Dança; autora das primeiras acções para a fundação de um ensino profissional das artes em Angola; membro das comissões instaladoras do Instituto Superior de Artes, dos Institutos Médios de Artes e da comissão interministerial para a criação do Sub-sistema de Educação Artística em Angola. Foi também Consultora do vice-ministro e da ministra da Cultura de Angola. Como reconhecimento da sua contribuição para o desenvolvimento das artes e da cultura em Angola, foram-lhe atribuídos o “Prémio Nacional de Cultura e Artes” (2006), o prémio “Identidade” da União Nacional dos Artistas e Compositores (1995), os Diplomas de Honra (2006) e de Mérito (2016) do Ministério da Cultura de Angola e o “Diploma de Honra – Pilar da Dança” da UNAC (2011). É Mestre em “Performance Artística – Dança” e Licenciada em dança na área da Educação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PROCURAR